Separação/Divórcio e filhos – Como lidar?

Tempo de leitura: 5 minutos

Uma separação harmoniosa não traumatizará a criança e poderá proporcionar um convívio sadio com os pais.

A separação/divórcio está se tornando cada vez mais comum. É raro hoje em dia verem casais que após 5, 10 anos de convivência, ainda estejam juntos e plenamente felizes. Relação desgastada, brigas, falta de desejo sexual, a questão financeira, falta de comunicação, diálogo entre o casal, tudo isso faz com que o processo de divórcio seja doloroso para ambas as partes. E as crianças? Como os filhos ficam diante do fim do casamento dos pais? Essa experiência, que já não é fácil para os pais, pode se tornar devastadora para as crianças, quando elas se tornam alvo das disputas e quando servem de depositário das frustrações dos pais.

A separação do casal pode gerar um sentimento de insegurança e culpa nas crianças. Mas, manter um casamento por causa dos filhos é um dos erros mais frequentes e péssimos que acontecem. Uma separação amigável é infinitamente melhor para uma criança do que uma convivência desarmônica e conflituosa, cheia de desavenças, brigas, onde será criado na criança, um modelo distorcido de família e amor entre casal.

É fundamental que neste momento você esqueça toda a dor que a separação esteja lhe causando e que você converse com seu ex para minimizar ao máximo os impactos do divórcio na vida do filho. É essencial que ele seja comunicado do que está acontecendo, porém não há necessidade de informar que um traiu ou deixou de trair, ou que um fez isso ou o outro nunca fez, enfim, as explicações e informações devem ser adequadas à sua capacidade de compreensão. É subestimar demais, pensar que a criança não sabe que está acontecendo algo diferente, ou que não entende. Pode ser que ela não compreenda o que é um divórcio, mas ela sabe que as coisas estão diferentes do habitual, ela sente, e por isso tem que ser comunicada.

É importante que ambos os pais conversem juntos com o filho sobre a separação. O filho deve saber que, independente das mudanças que fatalmente irão acontecer, o vínculo com seus pais não está ameaçado.  A comunicação reforça um sentimento de segurança e de confiança da criança em seus pais, e isso é fundamental para uma boa relação e um melhor entendimento da separação. Quando tudo estiver acertado sobre o divórcio, a criança deve ser informada com quem irá morar se ela não tiver discernimento para optar dependendo da idade e condições dos pais, e como funcionará sobre as visitas  e os períodos que irá passar com um ou outro.

A criança deve ser estimulada a expressar o que senti, deve ter liberdade para expressar seus sentimentos de tristeza e insatisfação. Suas preocupações devem ser exteriorizadas e discutidas, para que não se transformem em culpa e dúvidas – “será que eles estão se separando por minha causa?”, “será que eu fiz alguma coisa errada?”. O filho deve compreender que essa é uma decisão do casal, e não dos pais e que estes serão sempre seus pais e que nada irá mudar em relação ao amor e carinho dispensado a ele.

Um dos maiores erros cometidos no processo de divórcio é incentivar o filho a tomar partido por um progenitor. Ficar falando mal do seu ex para seu filho é uma falha grave que deve ser evitada ao máximo, ou melhor, é uma prática que deve ser abolida por você. Evite brigas na frente das crianças, pois ele pode ter sido um péssimo marido, mas com certeza pode e deve ser incentivado a ser um excelente pai, pois seu filho precisa da presença dele, para amenizar possíveis traumas.

É interessante que os pais comuniquem à escola sobre esta fase, e peçam para que sejam informados caso haja alguma mudança no comportamento e no rendimento escolar. Além disso, é essencial que a criança continue mantendo contato com as duas famílias: avós, primos, tios e todos os outros com quem tinha relação antes da separação, pois o divórcio está ocorrendo para os pais, não para a criança e devemos entender que as desavenças são entre os adultos e nunca com seu filho, sua sogra pode detestar você, mas ela sem dúvida ama seu filho, até porque é neto dela e também sangue do seu sangue.

Pode ficar tranquila que filhos de pais separados não tornam-se adultos traumatizados. O que vai diferenciar uma experiência traumática de uma não-traumática é como a separação se deu, como esta criança viu, ouviu e sentiu durante o processo de divórcio, e quais condutas foram tomadas pelos pais a fim de suavizar as dores, os medos e conflitos advindos desta situação, ou seja, como foi a comunicação dos pais no momento de abordar o assunto com a criança. Mesmo que o sofrimento seja inevitável, afinal a separação interfere em toda a vida familiar, se feita de forma adequada e preocupada com a criança, ela continuará saudável e equilibrada, sentindo-se amada e segura e principalmente, não precisará carregar uma culpa que não lhe pertence.

Não hesite em contatar um profissional caso não seja possível enfrentar essa situação sozinha. Passar por um processo de Coaching pode auxiliar você no processo de entendimento e cura desta dor tanto para você mãe e mulher, como para a criança, minimizando assim possíveis traumas e conflitos.

Se você se encontra nesta fase, não hesite, procure ajuda o mais rápido possível, pois quanto mais tempo demorar, pior será para seu filho.

E pra você que leu este artigo vou lhe presentear com o 1º Atendimento Gratuito: Nesse Encontro Online Irei Te Mostrar Como É Possível Esquecer O Ex Marido Facilmente, Seguir em Frente e, Viver Com Muito Amor e Carinho Com a Pessoa Mais Importante da Sua Vida… SEU FILHO.

Para Resgatar seu Presente Clique Aqui!

Um forte abraço e nos vemos por aí!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *